Vertentes
Seja bem vindo ao fórum Vertentes.

Pode usar o Facebook no seu "login".

O Guarani - José de Alencar

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Leitor O Guarani - José de Alencar

Mensagem por Gabi em Ter 29 Set 2009 - 11:43

Antes de ler o livro



1. Identificação do Livro

1.1. Título:
O Guarani
1.2. Autor(a):
José de Alencar
1.3. Editora:
L e Pm Editores
1.4. Data da Edição
1857

2. Escolha do livro

2.1. Motivos que levaram à escolha do livro

A capa e o Nome me chamaram a atenção


Após a leitura do livro


3. Contextualização do Autor

3.1. Alguns dados biográficos

José de Alencar nasceu em Necejana, no Ceará, em 1829, e morreu no Rio de Janeiro em 1887. O pai e a mãe eram primos, sendo que o pai era padre e política A família toda era de revolucionários, mas José de Alencar não seguiu a tradição familiar. Foi vária vez eleita deputada. Desistiu da política e passou a se dedicar só a literatura. Foi o primeiro grande romancista brasileiro, influenciando os escritores futuros. Seus livros faziam parte de um ambicioso projeto pessoal de unificar o Brasil pela literatura.

3.2. Outras Obras do(a) Autor(a)
A guerra dos mascates, O Guarani, Iracema e Ubirajara, O gaúcho e O sertaneja, Viuvinha , Encarnação, Senhora, Lucíola, Tronco do Ipê. Também escreveu teatro: O demônio familiar.

4. Conteúdo do Livro

4.1. Género Literário
Romance Indianista

4.2. Assunto (breve síntese)

D. Antônio de Mariz, muda-se para o Brasil com sua família. Em um passeio conheceram Peri, Cecília estava
correndo atrás de um pássaro e ao descansar, corria um rico enorme, quando Peri valentemente salvou-a. D. Antônio e sua família ficaram muito gratos a Peri, e lhe ofereceram sua amizade. Peri passou a freqüentar a casa de D. Antônio de Mariz. Havia entre os aventureiros, um ex-frade, que tendo em suas mãos o segredo da maior mina de prata já conhecida, abandonou o hábito, e se tornou o ambicioso. Cecília também tinha um irmão, D. Diogo, que procurava ser nobre e valente como seu pai. Em uma de suas caçadas, D. Diogo por fatalidade, matou uma índia Aimoré, o que deixou D. Antônio muito zangado e ao mesmo tempo preocupado, pois esse povo era muito vingativo. Em uma expedição, Álvaro comprou um presente para Cecília e o colocou na janela. Quando chegaram ao quarto, Cecília não agüentando de curiosidade, pediu a Isabel que abrisse a janela, não tinha nada lá, Então Isabel não pôde suportar e se prostrou no chão de felicidade, quando percebeu, sentiu muita vergonha de ter revelado seu segredo e correu para o seu quarto. Cecília ficou surpresa e ao mesmo tempo triste por não ter percebido o amor de Isabel por Álvaro. Peri, vendo-a triste, imaginou que fosse por causa do presente e foi ao fundo do precipício, e a entregou, ela foi até Isabel para mostrá-la que ela não estava zangada com ela, deu a ela o presente, sem imaginar que era o presente de Álvaro, ela aceitou. Em um domingo, Cecília, Isabel, Álvaro e D. Antônio saíram para dar um passeio nos arredores da casa, Cecília tinha um plano nesse passeio e chamou seu pai dizendo-lhe que tinha um segredo para contar-lhe deixando assim Isabel e Álvaro sozinhos, Álvaro notou que o presente que ele deixou na janela estava com Isabel, e como não entendeu o porquê, perguntou a ela a razão, Isabel envergonhada contou a ele que Cecília a tinha dado, dizendo que era um presente de seu pai. Álvaro ficou muito chateado e disse a Isabel que era presente deixado pó ele na janela, e perguntou a ela se sabia o motivo daquele mal entendido. Peri encontrando Álvaro pediu que ele o acompanhasse, pois ele tinha uma coisa a dizer. Peri que andando pelas matas, havia encontrado Loredano, que conversava com seus cúmplices sobre o ataque que pretendia fazer a casa, achou que a melhor coisa a fazer era contar a Álvaro para que ele contasse a D. Antônio, pois ele nunca duvidava da fidelidade de seus empregados, e foi isso mesmo que aconteceu D. Antônio achou que era um mal entendido de Peri. Álvaro continuou desconfiado de Loredano. Depois do ataque dos Aimorés a Cecília, D. Antônio decidiu mandar seu filho e alguns aventureiros buscarem ajuda na Peri não aceitava que Cecília morresse vítima daquele ataque, então veio a sua cabeça uma idéia incrível, disse a Cecília que a salvaria, a menina não entendia como, mas disse a ele que não queria que ele morresse tentando salvá-la, Peri pediu desculpas e saiu da casa sumindo mata adentro. Mas antes colocou veneno na bebida dos homens de Loredano.Chegou ao acampamento dos Aimorés e começou a lutar com uma coragem e uma agilidade incríveis, era um homem contra duzentos guerreiros, parecia loucura, mas Peri era inteligente e tinha em tudo isso um plano infalível. Loredano, não desistira de seu plano, como ele e seus homens estavam trancados de um dos lados da casa, seu plano era derrubar uma parede que era fraca, mas D. Antônio já tinha percebido e esperava seus inimigos com a dignidade e a coragem que lhe era comum. Quando derrubaram a parede D. Antônio já os esperava.Quando chegaram, todos esperavam uma explicação de Peri para aquela loucura que ele havia feito, quando o índio explicou seu objetivo todos ficaram boquiabertos, Cecília correu para ele e zangada lhe disse que não queria ser salva com a morte dele. Peri perguntou se ela queria que ele vivesse, ela respondeu que sim, então ele disse que viveria e saiu novamente disparado mata adentro, ela sabia que ele conseguiria, pois toda promessa que ele fazia era cumprida. Peri que tinha saído correndo da casa de D. Antônio tinha ido procurar uma árvore milagrosa que vencia o efeito do veneno, encontrara. Voltando a casa se deparou com uma cena incrível. Álvaro e os aventureiros tinham sido atacados pelos Aimorés e lutavam com a coragem e a dignidade de cavalheiros. Peri, vendo essas cenas e que Álvaro estava ferido, pegou-o e saiu em disparada para casa de D. Antônio. Quando a menina despertou e já salva, quando percebeu o que tinha acontecido ficou zangada com Peri por tê-la salvo da desgraça a que estava destinada ela e toda a sua família. Porém Peri lhe disse que seu pai tinha pedido que lhe salvasse e o tinha feito cristão, a menina não pôde esconder a alegria que isso lhe trouxe. Abrigados no topo de uma palmeira, Cecília espera a morte chegar, mas Peri lhe conta uma lenda indígena segundo a qual Tamandaré e sua esposa se salvaram de um dilúvio, abrigando-se na copa de uma palmeira. As águas sobem, por um momento, Cecília se desespera, mas está ao lado de Peri, que sempre a protegeu com a sua própria vida. A lenda de Tamandaré parece se repetir.

4.3. Citações favoritas

Quando Álvaro confessa a Isabel que a ama.
..“ Álvaro pensava em Izabel. Estava apaixonado pela morena, mas sofria muito, porque ia ficar desenrolado se deixasse de casar com Cecília”..


4.4. Opinião sobre o livro

O Livro ele é muito bom, ele mostra preconceitos entre raças diferentes, amor impossível, brigas entre raças.

Catia n°02, Gabriele n°10 Nathalia n°17

Gabi
Rabisco
Rabisco

Número de Mensagens : 4
Idade : 24
Localização : Brasil
Data de inscrição : 14/03/2009
Pontos : 3014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Leitor Re: O Guarani - José de Alencar

Mensagem por alexandre(hiro) em Dom 4 Out 2009 - 9:42

Sua nota é 13.
avatar
alexandre(hiro)
"Best Seller"


Número de Mensagens : 496
Idade : 26
Localização : Brasil
Data de inscrição : 22/02/2008
Pontos : 5376

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum