Vertentes
Seja bem vindo ao fórum Vertentes.

Pode usar o Facebook no seu "login".

O Mulato - Aluísio Azevedo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Leitor O Mulato - Aluísio Azevedo

Mensagem por Convidad em Dom 29 Nov 2009 - 14:18

Antes de ler o livro



1. Identificação do Livro

1.1. Título

O Mulato

1.2. Autor(a)

Aluísio Azevedo

1.3. Editora

Editora Moderna

1.4. Data da Edição
1881

2. Escolha do livro

2.1. Motivos que levaram à escolha do livro


O motivo que nos levaram a
escolher este livro foi a introdução que fala: “a gente deve casar
porque ama e não ter de amar porque casou”.


Última edição por Feh Dhias em Dom 29 Nov 2009 - 13:36, editado 5 vez(es)

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Leitor Re: O Mulato - Aluísio Azevedo

Mensagem por Convidad em Dom 29 Nov 2009 - 13:29

Após a leitura do livro

3. Contextualização do Autor


3.1. Alguns dados biográficos

Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo (São Luís do Maranhão, 14 de abril de 1857 — Buenos Aires, 21 de janeiro de 1913). Novelista, contista, cronista, diplomata, caricaturista e jornalista brasileiro.
Índice
Era filho do português David Gonçalves de Azevedo e de Emília Amália Pinto de Magalhães. Seu pai era viúvo e a mãe era separada do marido, algo que configurava grande escândalo na sociedade da época. Foi irmão do dramaturgo e jornalista Artur Azevedo.
Desde cedo dedicou-se ao desenho através de caricaturas e à pintura. Em 1876 viaja ao Rio de Janeiro, a fim de estudar Belas Artes, obtendo desde então sustento com seus desenhos para jornais.
Com o falecimento do pai em 1879, volta para o Maranhão, onde começa finalmente a escrever. E em 1881, publica O Mulato, obra que choca a sociedade pela sua forma crua ao desnudar a questão racial. O autor já era abolicionista convicto.
O sucesso desta habilita-o a voltar para a Capital do Império, onde escreve incessantemente novos romances, contos, crônicas e até peças teatrais.
Sua obra é vista como irregular por diversos críticos, uma vez que oscilava entre o Romantismo açucarado, com cunho comercial e direcionado ao grande público, e outras mais elaboradas, pois deixava a sua marca de grande escritor naturalista.
Feito diplomata, em 1895, serve em diversos países, inclusive o Japão. Chega finalmente, em 1910, a Buenos Aires, cidade onde veio a falecer menos de três anos depois.


* Foi o responsável por inaugurar a estética naturalista no Brasil com o romance "O mulato" (1881). É também autor dos romances "Casa de pensão" (1884) e "O cortiço" (1890), entre vários outros.

* A influência de Aluísio Azevedo são os escritores naturalistas europeus, entre eles, o mais importante foi Émile Zola. Através dessa ótica naturalista, capta a mediocridade da rotina, os sestros e mesmo as taras do indivíduo, uma opção contrária dos românticos que o precederam.

* As características fundamentais do naturalismo, quais sejam influência do meio social e da hereditariedade na formação dos indivíduos, além do fatalismo, estão presentes nas obras de Aluísio de forma veemente. Nele "a natureza humana afigura-se-lhe uma certa selvageria onde os fortes comem os fracos", afirma o estudioso Alfredo Bosi.

* Quando jovem, fazia caricaturas e poesias como colaborador para jornais e revistas do Rio de Janeiro. Seu primeiro romance publicado foi: Uma lágrima de mulher, em 1880.

* Fundador da cadeira número quatro da Academia Brasileira de Letras e crítico social, este escritor naturalista foi autor de diversos livros, entre eles estão: "O Mulato", que provocou escândalo na época de seu lançamento, "Casa de Pensão", que o consagrou e "O Cortiço", conhecido como sua obra mais importante.

* O autor, que não escondia seu inconformismo com a sociedade brasileira e com suas regras, escreveu ainda outros títulos: "Condessa Vésper", "Girândola de Amores", "Filomena Borges", "O Coruja", "O Homem", "O Esqueleto", "A Mortalha de Alzira", "O livro de uma Sogra" e contos como: "Demônios".

* Durante grande parte de sua vida, Aluísio Azevedo viveu do pouco que ganhava como escritor. Ao entrar para a vida diplomática, desiludido, abandonou a produção literária.

* Faleceu em Buenos Aires, Argentina, no dia 21 de janeiro de 1913


3.2. Outras Obras do(a) Autor(a)

* 1880 Uma Lágrima de Mulher, novela;
* 1881 O Mulato, novela;
* 1882 Mistério da Tijuca ou Girândola de amores, novela;
* 1882 Memórias de Um Condenado ou Condessa Vésper, novela;
* 1884 Casa de Pensão, novela;
* 1884 Filomena Borges, novela;
* 1887 O homem, novela;
* 1890 O Cortiço, novela;
* 1890 O coruja, novela;
* 1894 A Mortalha de Alzira, novela;
* 1895 Demônios, contos;
* 1895 O livro de uma sogra, novela;
* 1984 O Japão, publicado, a partir de manuscritos encontrados na Academia Brasileira de Letras.
* O Bom Negro, crônica
* Os Doidos, peça
* Casa de Orates, peça
* Flor de Lis, peça
* Em Flagrante, peça
* Caboclo, peça
* Um Caso de Adultério, peça
* Venenos que Curam, peça
* República, peça
* O esqueleto, apesar de ter saído em suas obras completas, organizadas por Nogueira Jr., não é de autoria de Aluísio Azevedo, mas sim de Olavo Bilac e Pardal Mallet.


4. Conteúdo do Livro

4.1. Género Literário
Romance

4.2. Assunto

Ana Rosa é uma moça que mora com seu pai, o viúvo Manuel pescada e a sua avó Maria Barbara, passado algum dias Manuel recebe uma notícia do padre Diogo que o seu sobrinho Raimundo(mulato) esta para vir passar uns dias na sua casa em razão do trabalho.
Depois da chegada de Raimundo, Ana Rosa aos poucos acaba se apaixonando por ele, depois de algum tempo Raimundo começa á corresponder esse sentimento. E Ana Rosa tinha um grande desejo de casar e ser mãe, então pede para o Raimundo pedi-la em casamento.
Então Raimundo diz para ela ter calma, pois ele vai pedi-la em casamento na viagem que fará com Manuel para ver as terras que eram do seu pai. Quando eles estão viajando Raimundo fala com Manuel, que recusa o seu pedido, Raimundo insisti em saber o motivo da recusa e acaba descobrindo que é filho de uma escrava negra, Raimundo fica triste.
Na volta da viagem ele conta para Ana Rosa que seu pedido foi recusado, porque ele era filho de uma escrava negra, e se ele cansasse com ela iria ficar feio para a família de Manuel. Então Raimundo decide ir embora para eles não sofrerem.
Com isso no dia em que ele vai despedir de Ana Rosa, acabam dormindo junto, depois entra um desespero em Raimundo que decide não ir embora e Manuel muito furioso não deixa ele ficar mais em sua casa.
A partir daí, eles só se comunicaram por carta, sendo assim eles planejam uma fuga, só que ele acaba não dando certo porque o padre Diogo e o Dias empregado de Manuel impedem a fuga.
Ana Rosa entra em desespero e pedi para o seu pai que deixei ela casar com Raimundo , mas ele não deixa porque quer que ela se case com Dias sem saída ela confessa que está grávida de Raimundo, todos ficam revoltados e Manuel fala para todos irem embora que amanhã ele vai dar um jeito na situação.
O padre Diogo fala para Dias matar Raimundo, e depois de muita insistência do padre o Dias concorda em matar Raimundo, e espera Raimundo chegar perto da casa então ele atirou.
E logo que Ana Rosa fica sabendo da morte de Raimundo ela passa mal. E o dia do enterro os únicos que choraram foram o padre e o Dias.
Depois de algum tempo Manuel pescada mudou com sua família para um sítio do Caminho Grande, onde abriu sua firma comercial Silva e Dias.
Depois de seis anos há uma festa onde comemora os quatro anos do casamento de Dias e Ana Rosa.


4.3. Citações favoritas

É quando Ana Rosa esta chorando e Raimundo pergunta porque ela esta chorando, e ela responde:” É porque o amo muito, muito entende? Desde que o vi! Desde o primeiro instante! Percebe?

Quando eles vão fugir Raimundo diz:
-“Não me defendo, nem aceito o juiz; apenas declaro que esta senhora nenhuma responsabilidade tem no que se acaba de passar. O culpado sou eu; bem ou mal, entendi, e entendo, que eis de casar com ela e para isso empregarei todos os meios.”

4.4. Opinião sobre o livro

É um livro muito bom, onde mostra que Ana Rosa acaba ajustando-se perfeitamente à ordem social e aceita o casamento com aquele a quem dizia odiar. A pressão social revela-se mais forte que os sentimentos, desfazendo assim o mito do amor romântico que a mãe de Ana Rosa tentaria inculcar na filha “ a gente deve casar porque ama, e não ter de amar porque casou.”
Hoje em dia as pessoas não casam por amor, mas por interesse financeiro , e não é mais os pais que aprovam o casamento dos filhos, mas sim os filhos , que casam por vontade própria.
E o preconceito ainda está presente na sociedade nem tanto como impedimento para um casamento.


Integrantes: Felipe, Rosângela, Keren

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Leitor Re: O Mulato - Aluísio Azevedo

Mensagem por nilse martinez em Ter 8 Dez 2009 - 1:13

Excelente trabalho, parabéns! A nota de vocês é 10 (20).

nilse martinez
Professora

Número de Mensagens: 240
Idade: 57
Localização: Brasil
Data de inscrição: 04/05/2007
Pontos: 2857

Voltar ao Topo Ir em baixo

Leitor Re: O Mulato - Aluísio Azevedo

Mensagem por alexandre(hiro) em Dom 27 Dez 2009 - 17:48

Oláaaaaaa...
Primeiramente, gostaria de me desculpar a todos pela minha ausência nesse último bimestre em virtude de emprevistos pessoais que todos estamos sujeitos a sofrer na vida, e me desculpar consequentemente de não ter dado as notas nos respectivos trabalhos escolares!! Queria me desculpar à professora Nilse pela minha ausencia e prometer que isso não repetirá (espero)!!!
Queria parabenizar a todos que se formaram pela Escola Sentaro Takaoka, e desejar muito sucesso na vida, e àqueles que por alguma razão não foram promovidos e até mesmo àqueles que foram, espero ve-los ano que vem em mais um ano no Vertentes...
Me desculpem novamente, e Um ótimo ano novo para todos!!!
Felicidades e até mais...

alexandre(hiro)
"Best Seller"


Número de Mensagens: 496
Idade: 23
Localização: Brasil
Data de inscrição: 22/02/2008
Pontos: 4380

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum