Vertentes
Seja bem vindo ao fórum Vertentes.

Pode usar o Facebook no seu "login".

"A Ilha dos Pinguins" de Anatole France

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"A Ilha dos Pinguins" de Anatole France

Mensagem por Filipe Azevedo em Dom 5 Nov 2006 - 8:16

Título
A Ilha dos Pinguins

Autor
Anatole France

Editora
Diário de Notícias

Data de Edição
2003



Motivos para escolher este livro:
Na verdade, já tinha espreitado algumas páginas e parecia-me um livro intragável, a falar de santos e milagres, cheio de uma fé insondável. Deixei-o para trás várias vezes.
No entanto, este livro foi-me oferecido e eu sabia que tinha sido uma escolha seleccionada, vindo de quem vinha.
Comecei. E não é que o livro é tudo menos o que parece!


Última edição por em Sab 30 Dez 2006 - 10:16, editado 1 vez(es)

_________________
www.vertentes.pt.vu
avatar
Filipe Azevedo
Professor

Número de Mensagens : 1229
Idade : 56
Localização : Portugal
Data de inscrição : 09/09/2006
Pontos : 15908

Folha de personagem
Guardião secular: Pérgamo

http://www.vertentes.pt.vu/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "A Ilha dos Pinguins" de Anatole France

Mensagem por Filipe Azevedo em Sab 30 Dez 2006 - 10:11

Alguns dados biográficos



Anatole France, pseudônimo de Jacques Anatole François Thibault (16 de abril de 1844 em Paris - 12 de outubro de 1924 em Saint-Cyr-sur-Loire) foi um escritor francês. Seus livros apresentam um tom céptico.

Uma entrada na Wikipédia.

Prêmio Nobel de Literatura em 1921.


Outras Obras

Estão enumeradas aqui.

Género Literário
Romance (uma sátira à humanidade)

Assunto
Este livro aponta-nos o dedo ao nosso comportamento social, à nossa "civilização". Apesar de já ser um livro com um século, descobrimos que os mesmos vícios, as mesmas mentiras e enganos continuam a ocupar as nossas vidas. Tudo isto é-nos maliciosamente apresentado sob a forma de pinguins que, por um engano de baptismo, são divinamente transformados em humanos...

Citações favoritas
O baptismo só pode ser dado a quem tiver uma alma:
"Quando o baptismo dos pinguins foi conhecido no Paraíso, não causou nem alegria nem tristeza, mas uma extrema surpresa." (pág. 17)

Muito actual esta observação:
"Os Pinguins possuíam o primeiro exército do mundo. Os marsuínos também. E o mesmo acontecia com outros povos da Europa. (...) O segundo exército do mundo, se houvesse algum, achar-se-ia numa situação de inferioridade notória." (pág. 109)

Ao longo do livro, o autor pretende abranger diversas épocas da história da humanidade (muito criticamente) usando, claro, para isso, os pinguins. E o livro termina assim:
"Quinze milhões de homens trabalhavam na cidade gigante." (pág. 217)

Opinião sobre o livro
Acho este livro exigente. A ironia e a sátira utilizadas só funcionam se tivermos excelentes conhecimentos da história da humanidade, nomeadamente da história dos poderes religiosos, militares e políticos, bem como dos preconceitos morais e intelectuais. Não é, por isso, um livro que aconselhe a qualquer um.
Se gostei? Gostei. Mas não foi, decididamente, um livro para lazer. E demorei muito mais tempo a ler do que é habitual, apesar de não ser muito volumoso.
Aconselho-o só a quem tiver muita cultura geral e motivação para um livro requintadamente irónico!

_________________
www.vertentes.pt.vu
avatar
Filipe Azevedo
Professor

Número de Mensagens : 1229
Idade : 56
Localização : Portugal
Data de inscrição : 09/09/2006
Pontos : 15908

Folha de personagem
Guardião secular: Pérgamo

http://www.vertentes.pt.vu/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum