Vertentes
Seja bem vindo ao fórum Vertentes.

Pode usar o Facebook no seu "login".

A lua de Joana, Maria Teresa Goncalez

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A lua de Joana, Maria Teresa Goncalez

Mensagem por Raquel Rodrigues em Qua 23 Fev 2011 - 16:33

Ficha de leitura



Antes de ler o livro


1. Identificação do Livro

1.1. Título: A Lua de Joana
1.2. Autora: Maria Teresa Maia Gonzalez
1.3. Editora: Verbo
1.4. Data da Edição: Outubro de 1994, 20º reimpressão a Dezembro de 2007


2. Escolha do livro

2.1. Motivos que levaram à escolha do livro

A lua de Joana, é um livro bastante conhecido e falado entre as pessoas. Uma colega minha resumiu-me a história e isso motivou-me para o ler, visto que já o tinha em casa.


Após a leitura do livro


3. Contextualização do Autor

3.1. Alguns dados biográficos

Teresa Maria Gonçalez, nasce no ano de 1958 em Coimbra. Estuda na faculdade de letras, situada em Lisboa, onde se vai licenciar em Línguas e Literaturas Modernas. Foi Professora de Língua Portuguesa, Inglês e Francês entre 1982 e 1997. Em 1989, inicia a sua carreira como escritora de literatura juvenil, publicando o seu primeiro livro, O Clube das Chaves. Os seus livros reflectem assuntos relacionados com problemas de juventude, evidenciando uma linguagem próxima da dos jovens e revelando grande sensibilidade e conhecimento da realidade actual. O seu maior sucesso foi o livro “A Lua de Joana”.


3.2. Outras Obras do(a) Autor(a)



- Quase Adolescente
-
Ser Invulgar
-
Bicho em perigo
-
Voa comigo
-
A História dos brincos de penas
-
Boas férias, Miguel!
-
Histórias do céu
-
O Incendiário Misterioso
-
A Fonte dos Segredos
-
Os pés que anunciam a paz
-
Gaspar & Mariana
-
Adivinhas com bichos
-
Pedro e o papa





















4. Conteúdo do Livro

4.1. Género Literário: Narrativo
4.2. Assunto (breve síntese)

A lua de Joana conta a história de uma adolescente, Joana, que perdeu a sua melhor amiga, Marta, com overdose. Sentindo a sua falta, Joana começa a escrever-lhe cartas a contar-lhe o seu dia-a-dia, usando-as como se fosse um diário, que lhe dá uma sensação de proximidade de Marta, que conhecia desde criança. Vivia numa casa com a sua mãe, com o seu pai e com o seu irmão que ela tratava por pré-histórico, e mais tarde com o Lucas, um cão que encontrara abandonado na rua. Para ela, tinha um pai em part-time que só sabia oferecer-lhe relógios, e uma mãe que só se preocupava com o pré-histórico, e com a sua loja, e o seu irmão mal lhe falava. Numa espécie de tentativa de mudar o seu estado de espírito, pinta o quarto de branco, pendurando um baloiço em forma de lua, à qual muda a posição conforme o seu humor. Mais tarde, Joana, tenta ajudar Diogo a ultrapassar a morte da sua irmã, a Marta. Sentindo-se incompreendida pela família e pelos colegas, comete alguns erros e algumas mudanças, acabando por se apaixonar pelo irmão da amiga e envolvendo-se com ele. Pouco depois, apercebe-se que Diogo anda metido nas drogas. Joana aproxima-se cada vez mais e conhece os seus amigos. Um dia, todos estavam a fumar e, incentivada, Joana experimenta. Quando olhou para si, já estava viciada, compreendo agora a situação da sua amiga, e já tinha vendido quase tudo o que tinha para arranjar drogas. Conforme vai entrando em decadência, vai alterando o branco do quarto, tornando-se mais colorido (mas não de uma forma boa). Os seus pais ainda tentaram fazer com que Joana abandonasse as drogas, mas foi tarde demais.



4.3. Citações favoritas (se necessário, explicadas no contexto)



“As últimas semanas foram uma espécie de deserto. Não li nada, não te escrevi, não tive fome e não consegui ter uma conversa decente com ninguém” (pag. 71)



“Marta, Marta, onde é que tu estás? Para que morada hei-de eu mandar-te flores? Só espero que no céu que for o teu haja espaço para todas as coisas que eu vou levar comigo para te devolver” (pág. 39)



“ A Rita convenceu-me a furar as orelhas e o meu quarto está cada vez mais diferente, havendo menos espaços brancos” (pág. 131-132)



“Descobri uma coisa terrível: o Diogo anda a drogar-se!” (pág.135)



“Então num momento completamente louco, desvairada , passei-me da cabeça e pedi-lhe para experimentar um bocado, só para ver que efeito aquilo tinha” (pág.140”



“Repetiu-se mais algumas vezes, a verdade é que já não sei quantas… è umas estupidez e tenho de parar” (pág.142)



4.4. Opinião sobre o livro



Ao ler este livro, ficamos com a noção de como tudo pode mudar de um dia para o outro. É chocante ver os passos de decadência que Joana ultrapassa, sendo ela uma rapariga exemplar e que sempre criticou as drogas, onde acabou afundada nelas. È também uma grande lição para os pais, e uma grande deixa para que eles estejam cada vez mais atentos, para a vida dos seus filhos e que se lembrem que o tempo existe para ser gasto com quem mais amamos, para dar atenção aqueles que mais queremos. Contudo, é um livro bastante sensibilizante, adorei lê-lo e acho que toda a gente o deveria ler.



Referencias Bibliográficas:

http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/fichaleitura.htm



http://www.netsaber.com.br/resumos/ver_resumo_c_4064.html



http://dmagia.blogspot.com/2010/11/opiniao-lua-de-joana.html

Raquel Rodrigues
Rabisco
Rabisco

Número de Mensagens : 2
Idade : 24
Localização : Brejos de Azeitão
Data de inscrição : 31/10/2010
Pontos : 2245

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A lua de Joana, Maria Teresa Goncalez

Mensagem por Filipe Azevedo em Seg 4 Abr 2011 - 13:08

10 valores

_________________
www.vertentes.pt.vu

Filipe Azevedo
Professor

Número de Mensagens : 1229
Idade : 55
Localização : Portugal
Data de inscrição : 09/09/2006
Pontos : 15588

Folha de personagem
Guardião secular: Pérgamo

http://www.vertentes.pt.vu/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum