Vertentes
Seja bem vindo ao fórum Vertentes.

Pode usar o Facebook no seu "login".

É proibido comer a grama - Wander Piroli

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por nicole monteiro em Dom 11 Set 2011 - 9:50

Carlos nº 02, Nicole nº 19


1. Identificação do Livro

1.1. Título: É proibido comer a grama
1.2. Autor: Wander Piroli
1.3. Editora: Leitura
1.4. Data da Edição: 2006

2. Escolha do livro

2.1. Motivos que levaram à escolha do livro
O título chamou a atenção

3. Contextualização do Autor

3.1. Alguns dados biográficos


Wander Piroli nasceu em Belo Horizonte, no ano de 1931 era jornalista e escritor começou na literatura ao inscrever, em 1951, um conto num concurso da prefeitura. Era O Troco. Ganhou o concurso e não parou mais. Publicou seu primeiro livro de contos, A Mãe e o filho da Mãe, em 1966. Iniciou como ficcionista escrevendo para adultos, no entanto, foi na literatura infanto-juvenil que o seu nome ficou ainda mais conhecido. Apesar de celebrado por seus amigos como João Antônio, Fernando Sabino, Antonio Torres, Ari Quintella e Roberto Drummond, ele não apareceu muito nas últimas décadas de vida. Faleceu em 06/06/2006.

4. Conteúdo do Livro

4.1. Gênero Literário

Ficção policial e mistério

4.2. Assunto

O livro é dividido em 17 capítulos começando com:

1º Capitulo: E ainda torceram a orelha do professor Thales.

Nesse capitulo conta a historia do professor Thales que estava saindo da escola depois de um dia comum, e voltando para casa é assaltado quando está trocando o pneu de seu carro, os assaltastes leva seu carro, anel que ele considerava mais precioso que o carro, as provas que ele tava corrigindo e o dinheiro, então ele vai até a delegacia mais próxima para fazer uma queixa, lá ele vê uma fila muito grande e os policiais que o tinham atendido fala para ele ficar e esperar sua vez, na fila fez amizades com algumas pessoas e fico sabendo do que tinham acontecido com elas e percebeu que seu caso não era tão grave comparado aos dos outros. Thales só foi atendido de madrugada e o delegado como estava muito cansado nem deu muita atenção. Saindo da delegacia Thales foi para sua casa a pé o caminho era muito longe e percebeu que tinha um carro o acompanhando até que um dos homens que estava no carro fala pra ele parar e os homens descem do carro um deles estava armado com uma faca Thales explica que ele já tinha sido assaltado e que não dinheiro nem nada então os assaltantes pede para ele ir tirando a roupa pois eles iriam ficar com ela, Thales tira a roupa rica nu e os homens ainda batem nele antes de irem embora.

2º Capitulo: Por causa de um par de tênis

Essa é historia de dois irmãos José Francisco e José Geraldo. José Francisco chegou em casa e foi logo procurar seu par de tênis novo, só que seu irmão José Geraldo estava usando então ele sai atrás do irmão. Encontrando o irmão fala pra ele devolver o tênis José Geraldo fala que só vai devolver quando chegar em casa, os dois começam a brigar, sangrando José Francisco volta pra casa pega uma faca e sai a traz do irmão que estava perto de um ponto de ônibus conversando com duas meninas, José Francisco dá a primeira facada em Gaucho amigo de seu irmão e depois vai pra cima do irmão as meninas assustadas saem correndo e ninguém viu José Francisco tirar o par de tênis do irmão caído no chão.

3º Capitulo: O ultimo porre de Isidoro

Depois de passar uma noite inteira bebendo Isidoro volta para casa só que não encontra a mulher que cansada de sempre viver com Isidoro bêbado vai embora e deixa o filho com ele. Isidoro acorda com o choro do filho, ele procura algo para dar pro menino comer e parar de chorar mais não tinha nada, deixou o filho chorando e saiu para o bar comprar alguma comida para o bebê, chegando lá tomou mais meia garrafa de pinga e comprou um pedaço de requeijão, voltou para casa e o bebê ainda estava chorando Isidoro deu o requeijão para ele chupar mais mesmo assim ele não parava de chorar Isidoro pega a criança coloca na cama e deita do lado, depois coloca um travesseiro em cima da cara do menino e dorme.

4º Capitulo: Sangria desatada

Num dia de domingo na casa de Elpidio o filho dele começa a sangrar pelo nariz, a mãe pega um lencinho e faz pressão mais mesmo assim não para de sangrar, resolvem ir para o hospital mais perto, lá ele é atendido por uma mulher que não lhe dá muita atenção e fala que ele tem que esperar os médicos voltar do horário de almoço. Os médicos estavam demorando muito e a criança já estava ficando mole pois estava perdendo muito sangue, então Elpidio entra em uma das salas e encontra os médicos assistindo futebol ele pega a faca que estava em sua cintura e vai para cima dos médicos.

5º Capitulo: Assim ficou melhor para todo mundo

Nesse capitulo uma menina de 14 anos conta que todo dia ao voltar para casa de ônibus vinha conversando com o cobrador Davidson as vezes até perdia o ponto pois ficava conversando com ele, então depois de um tempo eles começaram a sair mesmo ela sabendo que ele era casado e tinha 3 filhos, em um desses encontros a menina fica grávida, Davidson vai embora e ninguém mais vê ele. Ela contou para seus pais sobre a gravidez o pai não aceitou muito, passa algum tempo e nasce o filho. Depois de uns meses a menina sai deixa o filho com a mãe e vai para casa de sua avó pedir para ela arrumar umas roupas dela, quando seu irmão entra gritando falando que o pai deles estava bêbado e batendo no bebê, a menina pega uma faca e sai correndo, chegando em casa vê seu pai batendo no seu filho ela acerta varias facadas no pai e salva seu bebê.

6º Capitulo: O serralheiro Zuenir e a professora Helena

Tinham construído uma escola no final da rua onde Zuenir tinha sua serralheria, todo dia a mesma hora passava uma mulher muito bonita ele tentava chamar a atenção dela mais ela nem ligava. Zuenir não conseguia nem dormir só ficava pensando na professora Helena. Até que um dia Helena passa pela serralheria mais Zuenir pega uma faca, coloca no pescoço dela e manda ela entrar e fazer tudo que ele queria, depois de um tempo eles saem de lá a professora com cara de choro e o serralheiro todo feliz como se nada tivesse acontecido ele a acompanha até a escola e volta para casa. No dia seguinte dois policiais vão até a serralheria falar que Zuenir estaria preso por 2 anos.Na delegacia Zuenir não desmentiu nada ele só não entendia porque Helena tinha deixado ele tocar no ombro dela e acompanhá-la até a escola.

7º Capitulo: Quem quer um defunto?

Fernando era taxista e todo dia bem cedo ele levava seu vizinho até o serviço dele, nesse dia Fernando estava voltando para o ponto de táxi quando um senhor deu sinal, ele parou e o homem quase não conseguindo falar pediu que o levasse direto ao pronto socorro, só que no meio do caminho o senhor passa mal e morre no taxi. Ao chega ao pronto socorro Fernando explica a historia o enfermeiro fala que ele não pode fazer nada, pois o homem já está morto e pede para procurar o médico particular do senhor. Fernando sai procurando perto de onde tinha encontrado o homem para ver se alguém ali o reconheceria depois de pergunta para todos que estavam na rua e ninguém o reconhecer, Fernando pensa em ir ao jornal lá iria descrever o defunto e a família o agradeceria depois, Fernando parou na portaria do jornal foi tirando o defunto do carro, nessa hora dois policiais chegaram Fernando conta toda historia desde o momento em que o homem entra no carro até aquela hora, mas os policias não acreditam e mandam Fernando ir para a delegacia.

8º Capitulo: Uma família teimosa

José Nunes conta que nunca matou ninguém, apenas roubava e que estava com uma arma apenas para vender, até que um dia observando um carro num bairro alto chegou um velho de pijama gritando que José estaria preso, ele então bate no velho que cai no chão e aponta o revolver na cabeça do idoso, quando José ia fugir surge dois rapazes gêmeos, eram os netos, os dois foram para cima de José que atirou nos gêmeos então o velho levantou e foi bater em José e acabou levanto um tiro também.

9º Capitulo: Use a mão direita e diga muito prazer

Marlene e Janisela eram amigas de infância, mas fazia tempo que as duas não se viam e então marcaram de sair para colocar o papo em dia e apresentar os maridos. Marlene vai para casa e manda Domingos seu marido ir se arrumar porque iriam sair, então foram até o barzinho onde tinham combinado, chegando lá Marlene e Janisela se cumprimentam e percebem que seus maridos não tinham se dado bem logo na primeira impressão, então todos vão para casa de Marlene, lá Domingos abre uma pinga Marlene coloca os copos e serve, todos bebem, menos Jorge marido de Janisela, as mulheres vão até a cozinha pegar algo para comer quando voltam Domingos já tinha bebido uns três copos e Jorge nem mexido no dele, Marlene então pega uma cerveja para Jorge, Domingos fala que não vai abrir a cerveja e joga o copo de pinga no rosto de Jorge. Janisela e Jorge vão embora, mas Domingos vai atrás e acerta um tiro nas costas de Jorge e volta para casa falando que não aceitava desfeita.

10 º Capitulo: Outro uso dos cadarços

Manoel e Papagaio viraram amigos e decidiram dividir o mesmo apartamento. Manuel começa a sair com Maria garçonete do bar onde eles sempre freqüentavam, depois de um tempo Manuel foi se encontrar com Maria e comprou um cadarço para colocar no seu tênis novo. Manuel estava tomando banho para ir ao encontro mas Papagaio esconde o cadarço e sai de casa, Manuel fica horas procurando o cadarço mais desconfia que Papagaio fez isso de brincadeira, ele acaba se atrasando pro encontro, e comenta sobre o que tinha acontecido para Maria. Chegando em casa Manuel vê Papagaio já dormindo mais mesmo assim Manuel olha debaixo do travesseiro e encontra seus cadarços. O casal nunca mais foi visto e dois dia depois entram no quarto onde Manuel e Papagaio morava e encontra Papagaio morto enforcado com os cadarços.

11º Capitulo: Ugolino e sua Chiquinha

Ugolino era catador de papelão e Chiquinha era mendiga eles começam a morar juntos e Chiquinha deixa de pedir esmola e começou a trabalhar junto com Ugolino, Chiquinha estava procurando papelão e encontrou uns amigos que pediam esmola com ela, e ela chama eles para ir dormir na casa dela e de Ugolino, na manha seguinte um homem vai até eles e entrega um cartão com endereço para eles irem lá limpar um terreno e até pagou adiantado, chegando lá tinha um senhora no terreno que falou que ali era dela e que ninguém iria limpar nada, no caminho de volta os amigos de Chiquinha vão na frente, ela e Ugolino compram um litro de cachaça para irem bebendo, mais Chiquinha achou que Ugolino tava bebendo mais que ela e na tentativa de tirar a garrafa da mão dele acabou escorregando e caindo na beira de um rio.

12º Capitulo: Com desmaio e seis tiros

Marta ouve barulhos de passos e acorda seu marido Deoclésio para ir ver se tinha assaltantes na casa, descendo as escadas Deo percebe que tinha mais de uma pessoa lá, ele então sobe as escadas correndo pega a arma desce novamente se esconde atrás da mesa na cozinha, os assaltantes começaram a quebrar a porta Marta então volta para o quarto se tranca lá, Deoclésio dispara seis tiros e sai correndo para o quarto junto com sua mulher lá vê ela caída desmaiada no chão e o telefone fora do gancho. Deo escuta barulho dos assaltas saindo de sua casa e um deles parecia estar se arrastando, com o barulho dos tiros muitos vizinhos acordaram e estavam na porta de sua casa junto com a polícia que não acreditou na historia que Deoclésio e Marta estavam contando.

13º Capitulo: Como pulga entre dois dedos

Silvério tinha um bar que estava quase falindo pois sua mulher que fazia os salgado tinha ficado muito doente e ele teve que gastar muito dinheiro com remédios, clinicas, hospitais e ela tinha parado de fazer os salgados, para não perder a pouca clientela que sobrou Silvério terceirizava os salgados aumentando seus gastos. Numa noite fechando o bar chega 3 rapazes um branco, um moreno e um negro eles pedem algo para comer, depois bebem uma garrafa de pinga as cervejas que tinha gelada, depois o rapaz moreno se afasta fecha a porta do bar, o negro derruba Silvério no chão e o branco pega o pouco dinheiro que tinha na caixa registradora e no bolso de Silvério o negro pergunta o que fazer com Silvério e o branco só olha pra ele, Silvério fica no chão esperando a resposta do branco.

14º Capitulo: Na velha Guaicurus

No lado da farmácia onde João de Deus trabalhava à noite tinha uma balada, no final de seu expediente chega Etelvina uma morena querendo conversar com ele, ela era uma das prostitutas que freqüentava a balada, todo dia ele ficava esperando Etelvina enfrente a balada, tomavam um café e iam pra casa, depois de um tempo já estavam morando junto. Um dia João foi encontrar com Etelvina, mais ela não estava o esperando como de costume, João ficou esperando até que resolveu entrar na balada e procurar por ela, uma colega de trabalho dela falou o quarto em que ela estava, quando João entrou viu Etelvina morta na cama e varias marcas de sangue na parede.

15º Capitulo: Um domingo importante

Um rapaz estava em um bar esperando Suzana sua namorada, um homem alto chegou perto do rapaz e perguntou quanto ele queria pelo óculos que estava usando, o rapaz riu e explicou que não estava a venda, o homem tirou o dinheiro do bolso e falou mais alto que queria aquele óculos, para evitar briga o rapaz deu o óculos nem pegou o dinheiro, saindo do bar o homem alto grita que queria a camisa dele para combinar com os óculos, o rapaz disse que era presente e não poderia vender, o homem alto voltou para dentro do bar pegou uma faca e saiu correndo atrás do rapaz, tentou acertá-lo varias vezes com a faca mas o rapaz pegou a pegou e ficou apontando para o homem alto, que foi correndo em direção ao rapaz que sem reação não fez nada, mas a faca apontada acabou acertando o homem alto.

16º Capitulo: A morte do Coronel Rosendo

Coronel Rosendo era um homem bem respeitado na cidade ele tinha 15 filhos com Sara, na cidade ele tinha um mercado que se vendia de tudo um pouco, todos os dias á noite o Coronel ia para o clube jogar bilhar, cartas com seus amigos mas as quartas-feiras ele saia mais cedo do clube para ir a casa de Dona Perpetua do Socorro sua amante. Em uma dessas quartas-feiras Dona Perpétua vai correndo até a delegacia pedir ajuda do Sr Fausto. Ao chegar à casa de Dona Perpétua Sr Fausto encontra o Coronel deitado na cama morto, devia ter sido do coração, então Sr Fausto pede para Dona Perpétua nunca mais aparecer na cidade e que deixaria o Coronel em um lugar e fingiria ter achado ele por acaso. Sr Fausto encosta o Coronel na porta de um bar perto do clube onde ele freqüentava, e vai chamar os amigos para ver o que tinha acontecido. A mulher do Coronel Sara, não se conformava com a morte do marido e parou de comer, beber, só ficava rezando deitada na cama, os filhos preocupados com a mãe perguntam o que realmente tinha acontecido para Sr Fausto, e então ele explica onde tinha encontrado o Coronel e sobre a amante dele. Os filhos resolvem contar á mãe a verdade pois ela merecia saber e não tinham muito tempo, quando os filhos contaram, ela nem acreditou achou que era invenção de seus filhos só para ela voltar a ter a vida dela normal, Sara pede para um padre e um médico ir até ela, depois da conversa todos vão embora e Sara fica sozinha no quarto, no meio da madrugada a empregada vai a cozinha e vê Sara sentada comendo um pedaço de pão.

17º Capitulo: A porta é a serventia da peixeira

Um homem muito pobre começa a vender as coisas da casa para conseguir dinheiro, vende as camas, a geladeira, o fogão, até as portas da casa a única coisa que ele não venderia era as roupas, as panelas e a peixeira dele, pois ele sabia que um dia iria precisar dela.

4.4. Opinião sobre o livro.

Livro fácil e tem uma linguagem bem atual, é dividido por capítulos e cada um deles contar uma história diferente e isso faz que o leitor fique preso à leitura, e imagine as cenas descritas no texto. Um livro bem trágico na maioria das histórias os personagens morrem, em algumas delas o autor deixa que o leitor interprete o final. Essas histórias retratam bem a realidade dos dias de hoje contando fatos de mortes, assaltos, estupros, algo que aparece bastante nas mídias sociais, e o autor mostra isso de uma forma bem clara e sem esconder nada, é um bom livro mesmo com cenas e fatos fortes.
[b]

nicole monteiro
Ditongo
Ditongo

Número de Mensagens : 11
Idade : 22
Localização : Mogi das Cruzes
Data de inscrição : 13/04/2011
Pontos : 2111

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por leticia fernandes campos em Ter 13 Set 2011 - 15:25

ulll que trabalho..

nota 10.0

ihihi muito bommmm

leticia fernandes campos
Ditongo
Ditongo

Número de Mensagens : 13
Idade : 22
Localização : mogi das cruzes
Data de inscrição : 06/04/2011
Pontos : 2164

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por Daniely Ayumi em Ter 13 Set 2011 - 18:15

É um livro bem divertido.
Todo mundo morre...
Parabens.

Daniely Ayumi
Letra
Letra

Número de Mensagens : 9
Idade : 22
Localização : Mogi das Cruzes / Brasil
Data de inscrição : 18/05/2011
Pontos : 2100

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por nicole monteiro em Qua 14 Set 2011 - 17:53

Ah brigada, o trabalho de voocs tambem estão otimos! *-*/

nicole monteiro
Ditongo
Ditongo

Número de Mensagens : 11
Idade : 22
Localização : Mogi das Cruzes
Data de inscrição : 13/04/2011
Pontos : 2111

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por Renato Trajano em Qua 14 Set 2011 - 18:05

Realmente todo mundo morre.
Gostei bastante dos contoos.

Renato Trajano
Frase complexa
Frase complexa

Número de Mensagens : 48
Idade : 23
Localização : Mogi das Cruzes-São Paulo
Data de inscrição : 11/02/2011
Pontos : 2296

Folha de personagem
Guardião secular:

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por Diego Geraldo de Souza em Sex 16 Set 2011 - 18:35

Histórias muito chocantes, um livro muito, muito, muito interessante, apresentados por duas pessoas mais especiais ainda ^^ Punk

Diego Geraldo de Souza
Texto
Texto

Número de Mensagens : 87
Idade : 22
Localização : São Paulo
Data de inscrição : 23/02/2011
Pontos : 2269

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por alexandre(hiro) em Dom 18 Set 2011 - 15:01

Pelo que entendi, é um livro de contos, não?
De qualquer forma, adorei a apresentação, principalmente das considerações finais, pois de fato retrata acontecimentos do dia a dia, assim como você mesma escreveu.
Parabéns pela apresentação.

Nota 14 (7.0)

alexandre(hiro)
"Best Seller"


Número de Mensagens : 496
Idade : 25
Localização : Brasil
Data de inscrição : 22/02/2008
Pontos : 5208

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: É proibido comer a grama - Wander Piroli

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 8:24


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum