Vertentes
Seja bem vindo ao fórum Vertentes.

Pode usar o Facebook no seu "login".

Ubirajara - José de Alencar

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ubirajara - José de Alencar

Mensagem por Ronaldo Issao Nisiyama em Qui 22 Nov 2007 - 18:10




1. Identificação do Livro

1.1. Título: Ubirajara
1.2. Autor (a):
José de Alencar
1.3. Editora:
Ática
1.4. Data da Edição:
Edição do autor – 1875, Editora Ática - 1974



2. Escolha do livro

2.1. Motivos que levaram à escolha do livro

O livro Ubirajara foi escolhido pelo grupo, por ser uma história com características indianistas, que foi um assunto estudado neste ano em nossa escola, procuramos escolher um livro que tivesse a cara de nosso país, e que despertasse o interesse de todos do grupo.





3. Contextualização do Autor

3.1. Alguns dados biográficos

José de Alencar foi o mais importante romancista do Brasil, aclamado por Machado de Assis como o "chefe da literatura nacional". Em suas obras, sempre teve o objetivo criar uma literatura genuinamente brasileira, desvinculada de Portugal.

Nasceu em Mecejana, Filho de ilustre político, criança ainda, saiu de sua terra natal para Bahia, e mudou-se para o Rio de Janeiro quando seu pai assumiu o cargo de senador. Mudou-se para São Paulo para estudar direito, sendo colega de turma de Álvares de Azevedo. Chegou a tentar a carreira política, sendo eleito senador; porém, o imperador D. Pedro II vetou a sua posse, o que fez com que passasse a se dedicar somente à literatura e ao jornalismo.

Sua primeira manifestação literária foi à crítica ao indianismo de Gonçalves de Magalhães em seu poema Confederação dos Tamoios. Ele próprio abordou a nossa tradição indígena em grandes romances como Ubirajara, Iracema e O Guarani. Sofreu de tuberculose por 30 anos, indo procurar a cura na Europa, sem sucesso. Faleceu no Rio de Janeiro em 1877.

Sempre retratou o nativo como o "bom selvagem", puro, em oposição ao maldoso europeu, estragado pela civilização. Também escreveu romances urbanos (Lucíola, Senhora), históricos (Guerra dos Mascates, As Minas de Prata) e regionalistas (O Gaúcho, O Tronco do Ipê, O Sertanejo).



3.2. Outras Obras do(a) Autor(a):

Romances: Cinco minutos (1856); O Guarani (1857); A Viuvinha (1860); Lucíola (1862); Diva (1864); Iracema e As minas de prata Vol. 1 (1865); As minas de prata Vol. 2 (1866); A pata da gazela e O Gaúcho (1870); O Tronco do Ipê (1871); Sonhos D’ouro e Til (1872); Guerra dos Mascates Vol. 1 (1873); Guerra dos Mascates Vol. 2(1874); Senhora e O Sertanejo (1875); Encarnação (1893).

Teatro:Demônio Familiar e Verso e Reverso (1857); Asas de um anjo (1858); Mãe (1862).

4. Conteúdo do Livro

4.1. Gênero Literário
Romance indianista
4.2. Assunto (breve síntese)

Jaguaré, caçador da nação Araguaia procura um inimigo a sua altura para vence-lo em combate mortal e ganhar um nome de guerra, então ele deixa sua taba e Jandira, sua futura esposa, e vai em busca de um grande guerreiro. Encontra-se com Araci e se apaixona por ela. Encontra Pojucã um grande guerreiro irmão de Araci, Jaguarê luta contra ele e sai vencedor, Ubirajara por ter vencido um grande combate recebe o nome de Ubirajara e o arco de grande chefe da nação dos Araguaia. Ubirajara vai até a nação dos Tocantins lá ele adota o nome Jurandir por ser inimigo dos Tocantins lá ele disputa a posse de Araci com seus outros noivos, Jurandir se consagra vencedor, mas Itaquê exige que Jurandir revele seu verdadeiro nome e o seu segredo, Ele revela seu nome e conta sobre seu encontro com Pojucã e que o venceu, Itaquê reconhece o matador de seu filho (que não está morto), Itaquê não deixa Ubirajara casar-se com sua filha, então Ubirajara declara guerra contra Itaquê. Ubirajara volta à sua nação e liberta Pojucã e dá a chance dele lutar ao seu lado, a nação Araguaia vai até a taba dos Tocantins, mas lá se deparam com a nação dos Tapuias de Canicrã, inimiga das duas nações, como não é certo as três nações lutarem ao mesmo tempo, as nações Tocantins e Tapuias lutam, quem vencesse lutaria contra os Araguaias. Canicrã é morto e Itaquê é atingido nos olhos e fica cego, Pojucã filho de Itaquê não era capaz de brandir o arco de seu pai, então Itaquê pede a Ubirajara que ele empunhasse o arco de Itaquê e conquistasse Araci como esposa. Então Ubirajara uniu as duas nações formando a grande nação dos Ubirajaras, Ubirajara escolhe mil guerreiros Araguaias e mil Tocantins para lutar contra os tapuias, a nação Ubirajara vence.Então Ubirajara escolhe Jandira para ser mãe de seus filhos como líder dos Araguaias e Araci para ser mãe de seus filhos como líder dos Tocantins.E por muito tempo a nação Ubirajara dominou o deserto.

4.3. Citações favoritas (se necessário, explicadas no contexto)

“Eu sou Jaguarê, filho de Camacã, chefe da valente nação dos araguaias, que vem de longe em busca da terra de seus pais. Minha fama corre as tabas e tu já deves conhecer o maior caçador das florestas.’’ Jaguarê (Ubirajara) se apresenta para Pojucã antes de seu combate com o guerreiro”.

Ubirajara, senhor da lança, é tempo de empunhares o grande arco da nação Araguaia, que deve estar na mão do mais possante. Camacã o conquistou no dia em que escolheu por esposa Jaçanã, a virgem dos olhos de fogo, em cujo seio te gerou seu primeiro sangue. Ainda hoje, apesar da velhice que lhe mirrou o corpo, nenhum guerreiro ousaria disputar i grande arco ao velho chefe, que não sofresse logo o castigo de sua audácia. Mas Tupã ordena que o ancião se curve para a terra, até desabar como o tronco carcomido; em que o mancebo se eleve para o céu como a árvore altaneira. Camacã revive em ti; a glória de ser o maior guerreiro cresce com a glória de ter gerado um guerreiro ainda maior do que ele”.O ancião diz para Jaguarê empunhar o arco da nação Araguaia que é a insígnia do chefe da guerra após ele ter conquistado o seu nome de guerra.

“Este é o emblema da união. Ubirajara fará a nação Tocantim tão poderosa como a nação Araguaia. Ambas serão irmãs na glória e formarão uma só, que há de ser a grande nação Ubirajara, senhora dos rios, montes e florestas”.O momento em que Ubirajara uniu os arco da nação Araguaia e o arco da nação dos Tocantins, formando a grande nação Ubirajara.
[b]4.4. Opinião sobre o livro


O livro tem uma linguagem difícil, com muitas palavras indígenas, mas o livro mostra a tradução dessas palavras o que ajudou a conhecer mais sobre a cultura e as palavras indígenas, o livro é bom, despertou o interesse de todos do grupo, por contar a história de um índio que buscou um objetivo e conseguiu, sendo assim nomeado como o Chefe de sua nação.


Grupo: Bruno, Rodolfo, Rodrigo, Ronaldo, Wellynton e Edson.


Última edição por em Sex 23 Nov 2007 - 18:53, editado 4 vez(es)
avatar
Ronaldo Issao Nisiyama
Palavra
Palavra

Número de Mensagens : 16
Idade : 26
Data de inscrição : 09/05/2007
Pontos : 3758

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ubirajara - José de Alencar

Mensagem por Ana em Sex 23 Nov 2007 - 5:37

Não conhecia nem o livro nem o autor. A nota para a vossa apresentação é de 13 valores.
avatar
Ana
Trilogia
Trilogia

Número de Mensagens : 561
Idade : 27
Data de inscrição : 19/09/2006
Pontos : 3990

Folha de personagem
Guardião secular:

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum